Bananika
A Bananika surgiu de uma necessidade – essa que se você é mãe, já deve ter percebido – de conseguir conciliar o trabalho e a maternidade. A Pri é mãe e arquiteta e dentro da sua realidade não conseguia encaixar as demandas do trabalho com as demandas de criar seres humanos de maneira equilibrada e justa. 

A Bananika não começou de um sonho, mas se transformou em um – por mais clichê que isso possa parecer – de se criar um espaço de trabalho acolhedor para as mães. Sim, a Bananika não começou como uma loja, seu primeiro formato era um coworking para mães trabalharem perto dos filhos. 

Após morar em São Paulo e no Rio de Janeiro, a Priscilla voltou para Brasília em busca de espaços que a acolhessem como mãe, respeitassem seu maternar e recebessem seu grande pequeno, Felipe. 

Uma vez instalada em Brasília, Priscilla se sentia inquieta ao perceber a ausência desses espaços incríveis que a haviam recebido nas outras capitais e decidiu investir em seu sonho – abandonar a arquitetura para se dedicar a criar o que ela tanto procurava.

Foram meses intensos de trabalho, conexões, se dividindo entre Felipe, marido, casa, trabalhos e inseguranças. Quem não teme mudanças tão bruscas? 

A Bananika surgiu a partir de muito estudo, além da vivência e dor da Pri como mulher e mãe, na capital do país ao enfrentar a dificuldade de sua inserção no modelo tradicional de trabalho. Perceber que aqui não encontrava fornecedores diferentes, produtos diversificados, mais inclusivos, espaços mais acolhedores para mães e para crianças, eventos para as crianças. De todas essas necessidades nasceu um espaço.

Um espaço que veio para acolher mães e nossos grandes pequenos – um espaço colaborativo, colorido, lúdico, divertido, acolhedor. Um espaço em que todas as funcionárias são mães, e que mais de 80% dos seus fornecedores também são. Um espaço em que você encontra tudo que precisa – diversão, eventos, acolhimento, livros, roupas, brinquedos, utilitários e decoração. Não é mais necessário escolher previamente se você vai a uma livraria, a uma loja de roupas ou a uma loja de brinquedos, a Bananika juntou tudo. 

É ou não é um espaço encantado?